Sabendo mais sobre a Fisioterapia Respiratória


Uma das coisas que mais me deixam satisfeita na fisioterapia é quando alguém reconhece a nossa importância. Outro dia fui atender um paciente com dores na coluna e conversando sobre a profissão ele me disse que a fisioterapia, outrora, tinha salvado a vida dele, o fazendo melhorar de uma pneumonia, que tinha evoluído para o quadro hospitalar.

A fisioterapia respiratória é mesmo uma área importante da da profissão que atende milhões de pacientes e melhoram a sua qualidade de vida. É possível obter-se bons resultados com as técnicas respiratórias em doenças como asma, doença broncopulmonar obstrutiva crônica (DBPOC), enfisema pulmonar e pneumonias. Na maioria destas doenças, o paciente possui déficit no padrão ventilatório, aumento da quantidade de secreção (catarro) e associado a medicação estão os exercícios respiratórios que são ensinados para o paciente realizar tanto na clínica de fisioterapia como em casa tendo como os principais objetivos:

• Alívio da falta de ar

• Redução do trabalho da respiração forçada facilitando o ato de respirar

• Redução da incidência de complicações pulmonares

• Melhora da ventilação e deslocamento do catarro.

Apesar de poder ser praticada em vários lugares, a grande atuação da fisioterapia respiratória hoje, no entanto, ainda é no âmbito hospitalar, com um papel importante no tratamento de pacientes acamados especialmente nas UTIs. A fisioterapia tem se demonstrado imprescindível na equipe de UTI, prevenindo a insuficiência respiratória após a retirada dos aparelhos de respiração artificial, utilizando recursos disponíveis para liberação de vias aéreas, prevenção de problemas motores oriundos da imobilidade no leito hospitalar.
http://www.reabilitefisioterapia.com.br/imagens_gerais/respiratoria.jpg

Os profissionais que trabalham nessa área tem a certeza que  está indicada para pacientes preconizando minimizar a retenção de secreção pulmonar, melhorar a oxigenação, e principalmente promover a prevenção de pneumonias ou de agravo no quadro de saúde do paciente acamado tanto no hospital como em casa."

0 comentários: