Mais de 30% dos brasileiros têm doenças crônicas


Uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira (31) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indica que 59,5 milhões de pessoas (31,3% da população no Brasil) têm alguma doença crônica – problemas que geralmente se desenvolvem de forma lenta e duram por muito tempo, como hipertensão, asma e diabetes. Quase 6% das pessoas declaram ter três ou mais desses problemas.

Os dados fazem parte de um suplemento da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) e se referem a 2008. O problema é mais grave na região Sul, onde 35,8% das pessoas entrevistadas disseram ter esse tipo de doença. A lista segue com Sudeste (34,2%), Centro-Oste (30,8%), Nordeste (26,8%) e Norte (24,6%). De acordo com a pesquisa, o problema atinge 35,2% das mulheres e 27,2% dos homens.

Os principais problemas encontrados na pesquisa do IBGE foram: hipertensão (14%), problema de coluna ou costas (13,5%), artrite ou reumatismo (5,7%), bronquite ou asma (5%), depressão (4,1%), doença de coração (4,0%) e diabetes (3,6%). Para essa última doença, é importante ressaltar que o índice sobe para 8,1% entre as pessoas 35 anos ou mais.

As doenças crônicas são um problema grave para a saúde pública. Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) indicam que males como doenças cardiovasculares, cânceres, diabetes e problemas respiratórios são a maior causa de mortes no mundo, fazendo com que aproximatamente 35 milhões de pessoas percam a vida todos os anos – os números se referem a 2008. Cerca de 60% das mortes que acontecem em países pobres estão relacionadas essas doenças. O índice sobe para 80% em nações em desenvolvimento.

E, de acordo com a OMS, grande parte dessas mortes poderia ser evitada se a população eliminasse fatores de risco como o fumo, consumo de álcool, sedentarismo e dietas pouco saudáveis.

No quesito fumo, o índice ainda é alto entre os brasileiros. Na população com 15 anos ou mais de idade, 15,1% são fumantes diários e 2,1% fumam ocasionalmente. A região Sul tem o maior percentual de fumantes correntes (soma dos diários com os ocasionais): 19,3%. A incidência do tabagismo entre os homens é maior (21,5%), na comparação com as mulheres (13,2%). 

Doenças crônicas Brasil Infográfico IBGE

 

Para o IBGE, não houve variação expressiva nesses índices no Brasil. Em 1998, 31,6% das pessoas relataram ter um problema como esse. A taxa variou para 29,9% (52,6 milhões de pessoas) em 2003. O estudo indica que a existência das doenças crônicas também tem relação com a renda de cada parcela da população.

– Quanto maior o rendimento, maior foi o percentual de pessoas que afirmaram ter ao menos uma doença. Entre aqueles com rendimento de até um quarto do salário mínimo, 20,8% tinham ao menos uma doença. E entre aqueles com rendimento acima de cinco salários mínimos, o percentual alcançava 38,5%.

As doenças crônicas voltaram a chamar a atenção recentemente porque os portadores desse tipo de problema estão incluídos nos grupos prioritários que precisam se vacinar contra a gripe A (H1N1), popularmente conhecida como suína. Essa parcela da população precisa ir a um posto de vacinação até a próxima sexta-feira (2) para receber a dose. De acordo com o Ministério da Saúde, ter uma doença crônica aumenta o risco de contrair formas mais graves da doença, o que eleva inclusive a chance de morte.


Fonte: R7

0 comentários: