Fraturas de Quadril em idosos

 


A fratura do fêmur proximal, tanto do colo do fêmur como da região transtrocanteriana, acomete mais o paciente o idoso. Acontece devido a maior tendência a acidentes doméstico nesta fase de vida: como quedas de própria altura, diminuição da acuidade visual, diminuição de força muscular e reflexos (reação de defesa), pressão arterial lábil, doenças neurológicas, e a facilidade de fraturas pela presença de osteoporose, dentre outras causas. Nos pacientes jovens a principal causa está relacionada a traumas de alta energia, como acidentes automobilísticos e ou moto ciclísticos dentre outras. 

As fraturas de quadril são consideradas fraturas de grande incidência.

Após as fraturas do quadril, o equilíbrio, o controle postural e o posicionamento angular articular ativo frequentemente apresentam-se danificados.

As fraturas de quadril podem ser classificadas pela região anatômica:

1- fraturas do acetábulo, consideradas muito complexas, geralmente ocorrem em pacientes poli-traumatizados, e são causadas por traumas de alta energia;
2- fraturas do colo do fêmur, as quais representam 45% de todas as fraturas de quadril; geram complicações, pois podem prejudicar o aporte sanguíneo da cabeça femoral, caracterizando o quadro de necrose;
3- fraturas intertrocantérica (extracapsulares) que ocorrem entre o grande e o pequeno trocânter, também são muito comuns em idosos;
4- subtrocantéricas, que são consideradas de menor incidência.

As fraturas de quadril são muito graves e na maioria das vezes tratadas cirurgicamente, isso porque estão associadas a complicações bastante importantes, e a longo prazo.

O processo de reabilitação dessas lesões é de grande importância, e as intervenções a serem utilizadas devem ser bem elaboradas(13). Geralmente, o objetivo inicial do tratamento é a restauração das funções do quadril e a prevenção contra recidivas.

Os exercícios que englobam o ganho progressivo de amplitude de movimento, de fortalecimento muscular e o treino funcional, bem como os treinamentos proprioceptivos, de equilíbrio e postura, são geralmente introduzidos numa fase, no qual o processo de consolidação óssea é satisfatório e/ou o procedimento cirúrgico realizado garante proteção e rigidez ao foco da lesão, e há liberação da descarga de peso parcial ou total para o membro afetado. Nesse sentido, a fisioterapia tem mostrado bons resultados, principalmente em relação à melhora da propriocepção, o que é considerado fundamental para a estabilidade e proteção da articulação.

Para concluir, sem dúvidas, as fraturas de quadril, principalmente em idosos, apresenta como principais intervenções o ganho de força muscular e os treinos de marcha, funcionalidade e equilíbrio.

Tenha ebooks de graça sobre Fisioterapia


0 comentários: